Postagens

Mostrando postagens de fevereiro 22, 2015
Imagem
     O vento balançava as árvores, e em uma delas desprende-se uma folha seca e frágil, o vento a carregava levemente, e seu galho inclinava-se na direção da mesma talvez se despedindo e a olhando pela última vez. Sabe que nada pode fazer, só sabe que a perdeu. Mesmo assim parece preocupado por não saber o destino desse voo involuntário, inclina-se um pouco mais, mas a perdeu de vista.      O vento tenta confortá-lo e o recolhe ao seu ponto na árvore, e talvez imaginando se aquela folha cairá em lugar seguro, ele se preocupa porque sabe que a missão dela ainda não acabou. E sem entender essa relação, os galhos novos e com folhas verde escuro procuram entender o porque daquela preocupação, se foi apenas uma folha que caiu e ficaram centenas de outras verdes amareladas e secas. O galho mais antigo sabe porque, e o outro é muito novo e mão perdeu ainda a sua primeira folha, e por isso nem sente e nem sabe o que aquela folha representava.      E se comparássemos esse galho a nossa ár

QUANDO O SILÊNCIO GRITA

Imagem
     Estranho, muito estranho ouvirmos um som que não existe. Acontece que precisamos ouvir o som do silêncio, ele se conseguirmos aprender a ouvi-lo, entenderemos que o silêncio tão forte, que vai nos assustar.      As inúmeras quantidades de vezes que amizades foram desfeitas, e que perdemos pessoas que poderiam nos fazer felizes, pelo simples costume de querer impor condições, tratando pessoas como se fossem propriedades, e sem ter a menor sensibilidade para respeitar ou entender um momento de descontrole emocional.      E em quantos momentos já caminhamos lado a lado sem que uma só palavra seja pronunciada, mas dentro de nós, ouvimos os mais variáveis sons. Isso acontece porque, aqueles dois famosos dragões que vivem dentro de nós, vivem em constantes guerras. Enquanto um defende, o outro acusa, precisamos aprender a domar ambos, e deixar que um possa definir o que é melhor, alimente o dragão do bem, e tudo dará certo.      As palavras são perigosas demais, se não forem pro