30 de set. de 2023

Os Olhos da Caveira


 

 


Um homem entrou em uma densa floresta para fotografar árvores mortas, ou envelhecidas, geralmente elas têm aparências reveladoras e mensagens a quem tiver sensibilidade de entender. Depois de alguns minutos embaixo da copa verdejante, parecia que a noite nascia mais cedo naquele lugar; tirou do bolso um pequeno relógio de prata que recebera de presente de sua filha, e verificou o tempo. 


Era a hora enigmática e misteriosa em que muitos postais se abrem, dezoito horas, os ponteiros de braços abertos pareciam um convite ao tempo. Viu uma árvore gigantesca e armou sua tenda embaixo dela, o vento frio que balançava as árvores se assemelhava a neve quando cai sobre os picos dadas colinas, e ele resolveu apreciar aquele fantástico momento que a natureza lhe oferecera.

 

O claro da lua começou a iluminar o lado oposta à sua tenda e ele foi até lá fotografar os desenhos das sombrasAlgo com aparência de uma pequena bola branca chamou sua atenção; ao se aproximar avistou uma caveira em cima de um tronco, de tão branca e de ossos polidos pelo tempo, parecia um boneco de neve. Chegou bem pertinho e ficou impressionado com o que via. 


As mãos esqueléticas um pouco acima dos ombros, seguravam dois olhos com a negritude de um corvo e terrivelmente assustador de vivos e brilantes. O homem com uma lanterna ilulminou os globos oculares em em ambos ainda haviam vetigios de lágrimas; o que explicaria aquela caveira com os olhos intactos, puro mistérios. 


Voltou para a tenda mas não conseguiu dormir, a meia noite um grito de terror quebrou o silencio da mata, ele abriu um pouquinho a tenda, e viu um pássaro gigante substituir os olhos da caveira; ele decidiu ir ao encontro do pássaro e ignorando a gia perguntou; o que isso representa? 

-Esa caveira passou a vida inteira olhando seus próprios problemas, sem nunca tirar um tempinha para ver o mundo do jeito que é, insano, egoísta e desigual.


Ela também não foi diferente, poderia ter vivido seu próprio mundo e ainda teria contibuído para bons momentos de muitos outros seres. Agora seu castigo, é esperar que o mundo adquira uma visão solidária para que ela possa viver em outra dimensão.


Os olhos que vêm o mundo eu os tragos todas as noites para ela, mas quando os recebe grita de desengano, a cada dia a maioria olha apenas para si, e não consegue enxergar o imensurável universo das diferenças, para depois fazer um análise sensato de seu próiprio mundo. Por isso ela grita: não tem previsão de liberdade, tal qual a todos os que estão presos em seus inconscientes mundos, e a maioria pederá até morrer sem viver o que a vida lhe oferece. 

 

“O conhecimento é um farol na escuridão” 

 

Antônio Lopes Bezerra 

27 de set. de 2023

contos e encantos: Vença a Depressão

contos e encantos: Vença a Depressão: Vença a depressão de denttro para fora, e o que isso significa afinal? Expulsar de nós, parte ou tudo daquilo que os outros pensam ou querem...

25 de set. de 2023

O andarilho do deserto

 

 


Certa vez um andarilho escolheu o deserto para ser a sua próxima base de aprendizado, caminhou bastante nas areias escaldantes, e quando os pés estavam cheio de bolhas parou para descansar um pouco. Pensou em armar a tenda, mas o vento soprou no solado dos pés aliviando um pouco as dores, então decidiu andar mais alguns quilômetros, enxugou o suor do rosto e seguiu. 


A noite lhe servira de alívio, a aragem amena varria a areia que aos poucos resfriava a terra. Órion estava tão visível que parecia um guerreiro vivo olhando para a terra, é hora de parar, armar a tenda, e conversar com as estrelas. À noite parecia estar com presa e logo amanhecera o dia com desenhos avermelhados provocados pelos raios do sol. 


Bem distante uma silhueta de deslocava lentamente, e só depois de alguns minutos chegou à tenda do andarilho. Visivelmente abatido e lamentando muitas dores; resmungou; amaldiçoado deserto, o vento levou as minhas sandálias, e o calor torrou meus pés, e em seguida perguntou: também está perdido? 

-Não, escolhi esse lugar para meditar em paz. 


-Paz no deserto? O sol deve ter derretido seus miolos, isso aqui é o inferno. O andarilho pegou uma pequena moringa e derramou água fria nos pés do estranho, tirou da sacola um par de sandália macias e o ofertou. O estranho olhou para os pés do andarilho e disse vai precisar delas, nem entendi por que não as usou, e como ainda consegue andar. 


-Aprendi a caminhar no deserto, e posso voltar pelo mesmo caminho por onde passei, sem receio de pisar em algum espinho.  


-Agora entendo, o vento abandonou as minhas sandálias a poucos metros de distância, mas tive medo de voltar. O que você me aconselha para perder o medo? 

-Fazer o que você tem consciência que deve ser feito, e amar a você como se fosse ao próximo, assim tudo ocorrerá dentro das leis universais. Doe amor, mas não doe a vida, cada um suporta o peso de sua cruz, e jamais teremos sabedoria para entender o propósito de cada vida. O único que doou a vida, escolheu fazer o sacrifício por todas as pessoas, amou incondicionalmente o que é quase impossível aos humanos.




Seja solidário, mas não se julgue responsável por problemas alheios, ao fazê-lo vai gerar uma expectativa exagerada e humanamente insuportável, e depois as consequências serão devastadoras, aprenda a caminhar descalço para saber o quão resistente você é. Ame a você para conseguir amar aos outros, desprenda-se do peso excessivo, você também tem só uma vida, e precisa vivê-la. 


"O conhecimento é um farol na escuridão"


Antônio Lopes Bezerra

11 de ago. de 2023

Asclépio, o deus da cura

 


Asclépio o deus da cura, filho de Apolo e a mortal Corónis desde o princípio teve de enfrentar muitas dificuldades, uma das versões mitológicas sobre ele é a de que foi abandonado pela mãe, que o deixou aos cuidados de uma cabra e um cão. Em outras versões falam que ele ficou órfão e recebeu ensinamentos de Apolo e do fantástico centauro Quíron, o sábio do monte Pélion. 

Independentemente de suas histórias reais ou mitológicas temos a convicção da importância que ele representa até hoje para a humanidade, é lamentável que poucos tenham conhecimento sobre sua existência e influência na medicina, conhecido como o deus da cura, Asclépio continua sendo uma referência de medicina, principalmente no aspecto psíquico que trata do inconsciente. 


No mundo grego o culto ao deus Asclépio ainda se mantem vivo, com santuários e oferendas, significa que o povo está vivamente conectado com as curas feitas pelo deus-herói. Estudos e pesquisas apontam um relacionamento estreito entre alguns tipos de doença que começam na mente, e por isso pacientes que buscavam a cura teriam de cumprir um regulamento, dormirem uma noite no local no qual seriam atendidos. 

E por algum motivo especial sonhavam com os motivos de seus stress, esse sonho servia de base para o tratamento. Todos nós deferíamos a consciência que muitas das nossas doenças começam na mente, e involuntariamente permitimos que elas se estabeleçam ao ponto de atingirem os corpos mentais e físicos, pensar em Asclépio é pensar também nos feitos da medicina para tratamentos físicos e mentais. 


Não podemos nos permitir agredir a nossa mente, principalmente em caos os quais não possuímos culpas ou poderes de solução, fugir da realidade é entrar em um labirinto desconhecido e escuro. Precisamos de coragem para identificar o nosso eu, e sabedoria para administrar a bagunça que fazemos como nosso psíquico, e tomar decisões que possam aliviar as pressões que na maioria das vezes nós mesmo as criamos.    

O conhecimento é um farol na escuridão” 

Antônio Lopes Bezerra 

contos e encantos: Uma Janela no Coração

contos e encantos: Uma Janela no Coração :   O amor é realmente um sentimento profundo e poderoso. Ele transcende as palavras e se manifesta...